O que é Astrologia, Consciência e Mindfulness

mandala-artistica-astrologia-davinci-shiva-sol-om-10-zzAstrologia, Consciência e mindfulness (conjuntamente com programação neurolinguística) são parte integrante de um método inovador de ensino e aconselhamento. Uma fusão de Ferramentas/”técnicas” poderosas que que fazem parte do ensino da Astrologia e nas sessões de aconselhamento do projeto mapaastral.org.

Com esta fusão, é possível aliar o ensino da astrologia (ou o aconselhamento), a outras ferramentas (Mindfulness e programação Neurolinguística) que ajudam cada pessoa a conquistar PODER sobre SI MESMA (consequentemente sobre a sua vida e tudo o que rodeia), criando ela própria a SUA CURA INTERIOR.

 

A Astrologia é uma Ferramenta de diagnóstico de possíveis padrões emocionais, mentais e comportamentais (muitos deles não conscientes)

Como todos sabemos, a Astrologia é acima de tudo, uma ferramenta poderosíssima para o auto-conhecimento e desenvolvimento pessoal. Felizmente, cada vez são mais as pessoas que compreendem o quanto é importante entender o que nos é imposto pela vida para melhor conseguirmos tirar partido dela. É essencial, saber aceitar os desafios sem resistência, e entender como podemos colaborar com os processos desafiadores que nos são impostos.

A Astrologia, serve como ferramenta de “diagnóstico” de arquétipos, padrões e de todas as dinâmicas internas (e revela também o que se atrai no exterior), e o Mindfulness é a ferramenta que dá a dinâmica poderosa de alquimizar padrões através da auto-observação, dissociação, consciencialização, gestão de foco e auto-cura.

O Mindfulness, “ajuda a observar”, dissociadamente e sem julgamento, cada resposta interna a cada impacto desafiador externo.

mandala-artistica-astrologia-davinci-shiva-sol-om-8-zzMindfulness quer dizer “atenção plena” e é uma excelente forma de estar na vida, e que ajuda a pessoa a gerir as seus impulsos reactivos e impulsivos, permitindo que a pessoa escolha agir em consciência em vez de reagir.

O Mindfulness, “ajuda a observar”, dissociadamente, cada resposta interna a cada impacto desafiador externo. Desta forma, é possível ter a neutralidade suficiente para obter o discernimento para compreender (como observador” todos os acontecimentos  desafiadores, no momento em que estão a ser vivenciados. Com está postura é possível transmutar padrões pela desprogramação dos gatilhos que os ativam comportamentos.

 

Através do Mindfulness é possível uma revelação consciente sobre dons internos a serem explorados, e que é com a nossa “abertura” em nos colocarmos em causa, que nos facilita a possibilidade de aprendermos a reconhece-los e a utiliza-los de forma consciente e para um bem maior.

Como estas ferramentas, Astrologia, Mindfulness e Programação neurolinguística podem funcionar juntas?

Usando o mapa astrológico de cada pessoa, e identificando os arquétipos e dinâmicas desafiadoras predominantes presentes, é possível determinar os “pontos chave” dos padrões psicológicas, emocionais e comportamentais que envolvem as dinâmicas auto sabotadoras da pessoa.

Recorrendo às técnicas de Mindfulness, reconhecer na prática padrões,  e fazer a sua identificação vivências diárias (onde há desafios e onde padrões se repetem). Posteriormente, com as técnicas de programação neurolinguistica, identificar crenças limitadoras que ajudam a ativar os mecanismos/gatilhos que despoletam descontroladamente os padrões. Por fim, fazer uma reprogramação consciente de crenças sabotadoras que impedem de a pessoa se expressar de forma integrada.

Exemplo prático sobre como a astrologia pode estar aliada ao Mindfulness e consciência:

Sendo por exemplo, a Vénus na Astrologia – o arquétipo do Valor próprio e os valores materiais, pode-se entender (no mapa) como a pessoa vive esse arquétipo internamente, que por consequência,  o mundo externo vai devolver na mesma vibração (em oposição às expectativas da pessoa).

Através do mapa Natal, podem-se identificar esses padrões matriz da pessoa. Ao serem identificados, e de os tornar “conscientes” serão observados nas dinâmicas vivenciais da pessoa.

Quem não se valoriza internamente, faz afirmações negativas de si que impulsionam o exterior a lidar com a pessoa de forma a ser desvalorizada e descredibilizada

Imaginemos que a pessoa não se valoriza, e no seu dia a dia dá todos os indicadores disso através de atitudes, postura e comunicação. Depois de identificado o “padrão” é possível fazer um processo de orientação para a auto-observação, sobre toda a forma como se expressa essa ausência de valor para o exterior.

Estas dinâmicas ajudam a tomada de consciência sobre si, e da forma como se usa este arquétipo do valor próprio na sua vida, e logo se perceberá que ao se “desvalorizar/maltratar”, está a dar indicações/educar os outros como se “devem” comportar consigo…e será assim que os outros se irão comportar, não valorizando e desprezando, a pessoa em si, suas ideias, pensamentos, e tudo o que de si é expresso.

Se transmitirmos “para o exterior” que somos nada e fizermos de nós um “tapete para limpar os pés”, logo, neurologicamente a informação é registada pelo exterior, e as pessoas irão desvalorizar quem se desvaloriza a si mesmo.

Se eu me valorizar, estou a educar e a dar informação aos outros de como gosto de ser valorizado e considerado

Assim, é necessário perceber em que situações envia subliminarmente a informação de desvalorização para o exterior, e transformar essa postura, porque somos valorizados ou desvalorizados  externamente, de acordo com o valor que nos damos a nos mesmos. Se queremos ser valorizados, teremos de nos valorizar genuinamente.

Para que a pessoa seja valorizada fora, necessita de fazer um processo de auto-observação, identificar os seus bons recursos internos que dispõe, fazê-los sobressair e evidenciar para fora, e estar sempre a criar novas ferramentas de valorização pessoal para aumentar a sua auto-estima e assim acreditar que merece ser valorizada externamente.

É observando a forma como nos valorizamos ou nos derrotamos em frente aos outros, que perceberemos nitidamente, as indicações subliminares neurológicas que enviamos para o exterior sobre a forma como nos”tratamos/valorizamos”. E claro se eu mostro para fora que me desvalorizo e inclusive digo afirmações derrotistas sobre mim….logo os outros estão a receber a informação sobre a forma como permito que me “tratem”.

Estas são apenas leves considerações sobre esta fusão alquimica de ferramentas, utilizadas nas formações em Astrologia deste projeto mapaastral.org, e que se complementam e que de certa forma. Para além da aprendizagem da atrologia cada pessoa aprende a ter PODER sobre SI MESMA, criando ela própria a SUA CURA INTERIOR.

 

 

 

Bookmark the permalink.

Comments are closed