Propósito dos trânsitos planetários desafiadores

Em Astrologia, são considerados trânsitos planetários desafiadores, as ligações angulares tensas entre planetas (essencialmente conjunções 0º, quadraturas 90º  e oposições 180º e outros que considerem importantes) dos planetas em trânsito, com os planetas do mapa Astrológico Natal. São especialmente importantes os trânsitos de planetas Transpessoais/Lentos e Saturno (Social)  em relação aos planetas Rápidos (planetas pessoais e luminares) representados no mapa Natal.

Os trânsitos planetários desafiadores, geralmente sugerem uma “transição” de uma antiga forma de utilizar as energias de um planeta ou mais planetas, para uma nova forma mais consciente, mais alinhada, mais integrada e mais saudável de utilizar as energia desses mesmos planetas.

Os Transitos desafiadores, obrigam a rever, identificar, reavaliar

 

Numa primeira abordagem, os transito desafiadores SUGEREM mudanças, e não sendo atendidas, serão IMPOSTAS posteriormente por “confrontos” que poderão ser mais ou menos dolorosos de acordo com o grau de aceitação ou resistência.  Os trânsitos, ao apresentarem-se em forma de tensões e desafios, obrigam a rever, identificar, reavaliar como são utilizadas essas energias planetárias, qual a verdade da intenção inconsciente que as impulsiona, como são postas em prática e qual o propósito que serve. Estas são as 3 perguntas chave para avaliar os nossos comportamentos, quando estamos a ser postos em causa pela vida:

  • Qual a intenção inconsciente (o que está por detrás do pensamento, sentimento ou ação)?
  • De que forma em ponho em prática este pensamento, sentimento ou ação?
  • E qual o propósito último que serve? Qual a utilidade? O que acrescenta de melhor e diferente à minha vida e à vida dos outros?

AGIR ou REAGIR…a dança entre os bloqueios e a consciência.

Sempre que somos surpreendidos por algo que nos põe em causa, nos desafia ou nos confronta, a tendência é criar julgamentos e acusações que atiram 100% da responsabilidade do que acontece ao mundo exterior, e esquecemo-nos que existe a lei da ressonância e tudo o que se passa conosco fala essencialmente de nós e da razão inconsciente pela qual atraímos os acontecimentos. Pelo menos 50% do que acontece (a reação ao que acontece) é totalmente nossa. Embora não possamos controlar os acontecimentos exteriores, podemos sempre assumir responsabilidade sobre a forma impulsiva como reagimos ao que nos acontece, passando a escolher AGIR em vez de RE-AGIR.

Porque se torna ainda mais difícil um trânsito desafiador?

O que torna a vivência de um transito difícil, é a forma como rejeitamos a responsabilidade sobre as feridas que são tocadas que nos atiram para uma reação descontrolada de forma impulsiva e inconsciente. E é por esses 50% que temos de assumir responsabilidade “observar as nossas reações” que falam dos bloqueios, medos, feridas ocultas. A outra pessoa pode até ter tido uma atitude incrivelmente “condenável” mas se eu for uma pessoa integra e integrada, apenas me surgiria a ideia de que a pessoa não estaria bem, ou estaria desequilibrada, com toda a certeza.

planetas-sistema-solar-astrologia-zA resistência em aceitar responsabilidade sobre a minha parte – a RE-AÇÃO

A ação do outro revela a sua essência, a nossa reação fala essencialmente de nós e reflete o nosso estado interno, feridas, bloqueios e medos. É nas situações de desafio que se podem dar os maiores saltos de consciência, procedendo a uma intensiva auto-observação. Obvio que não é simples, mas com prática tudo se consegue, a tendência é a impulsividade e a acusação e não reconhecimento dos nossos 50% (a reação). Em cada desafio, pouco importa ou mesmo nada a inconsciência, injustiça, prepotência, ou o que for, do outro, lembre-se que cada um paga o preço pelo que é, pensa e faz, por esse motivo a preocupação desses momentos deve estar voltada para “COMO EU REAJO” e não para “O QUANTO O OUTRO É IDIOTA”. Eu vou sempre “pagar” um preço caro pela minha reação, assim é por essa reação que eu devo assumir um foco….e o outro…..que se….dane.

A auto-observação constante é a chave para viver bem um trânsito e a vida em geral

É na resistência em assumir a responsabilidade que o que atraio é meu e não sou vitima. O que me faz explodir (até ali talvez engolir, dois opostos) não é o outro, mas o que tenho dentro de mim. Essa resistência em auto-observar e colocar em causa essa visão tão condenadora do outro, é que traz todo o sofrimento, a dor e vitimização. Porque a vida apela para essa auto-analise interna, e quanto mais resistimos e reagimos mal, mais insuportável se tornam as situações que atraímos, cada vez com maior intensidade, e sermos obrigados a fazer o processo ou então não fazemos e ficamos totalmente de rastos, deprimidos, envelhecidos, rancorosos, cheios de mágoa, e tudo mais.

Abrir espaço dentro para considerar a hipótese de mudança

Sempre que há qualquer desafio, é extremamente importante o auto-questionamento de “para que” é que me acontece este tipo de situações, o que me quer revelar. Porque atraio este tipo de pessoas, o que tenho de aprender??? De acordo com os planetas envolvidos e outras conjunturas do mapa podemos perceber a raiz.

Será que tenho de aprender o quê?

  • A ser humilde;
  • A Assumir o meu poder pessoal;
  • A criar estrutura;
  • A impor limites;
  • A perceber que ter ou não ter dinheiro e valores, o seu valor é o mesmo;
  • A aprender a dizer que não;
  • A respeitar mais a minha vontade;
  • A assumir responsabilidade pelos meus sonhos ou sensibilidade;
  • A ser mais independente;
  • A respeitar o meu valor ;
  • Não esperar aprovação;
  • A ser Genuíno e autêntico;
  • A não abusar do espaço dos outros;
  • A saber lidar com o tempo e responsabilidades;
  • A perceber o que gosta realmente e se identifica;
  • Assumir a minha raiva, revolta e assertividade;
  • Assumir um rumo na minha vida que seja mais fiel à minha essência;
  • Ter mais os outros em conta e repeitar mais a sua vontade;
  • Reconhecer o meu próprio senso de me sentir especial;
  • Reconhecer a minha parte emocional;
  • Aprender a comunicar melhor e a expor ideias de forma mais consciente;
  • Se o desafio são perdas, provavelmente precisa aprender o desapego,
  • Se é desilusão ou falta de orientação, é importante aprender a enraizar e aprender a viver no mundo da terra concreta;
  • Se o desafio é impotência, perder o controle das situações, é importante que aprenda a deixar fluir, entregar e confiar;
  • Quando o desafio é abuso de poder, é importante assumir o poder pessoal e deixar de dar poder a pessoas, acontecimentos e situações sobre quem é, faz, pensa e assumir rédeas da sua estabilidade interna;
  • etc, etc, etc de acordo com os 12 arquétipos astrológicos;

Assim e de acordo com as centenas de possibilidades de auto-reconhecimento, é urgente começar a considerar quais os bloqueios, medos, crenças internas e de que forma tem sido confrontados pelas energias planetárias….ou pela vida em si, para ser mais fácil de fazer uma identificação.

Texto original de mapaastral.org (de Cristina Jorge)

Imagem by mapaastral.org

 

Bookmark the permalink.

Comments are closed